Pages Navigation Menu

Histórico

O EntrePontos tem origem no ano de 2010 como iniciativa da Associação dos Produtores de Cultura do Ceará (Prodisc) com vistas à interiorização e fomento da cadeia produtiva da música no Estado. O projeto nasce com o objetivo central de integrar os agentes nas ações desenvolvidas durante a Feira da Música e em outros eventos.

A Feira da Música tem como missão a integração entre os agentes culturais do Ceará e da região Nordeste e apresenta-se dividida em três pilares: Mostra de Música, com vários palcos e estilos diverso; Encontro Internacional da Música, com oficinas, debates, grupos de trabalho e aulas-espetáculos; e a Feira de Negócios, com exposição de produtos e rodada de negócios.

Em 10 anos, a Feira tornou-se referência nacional, atuando fortemente na integração de uma rede de agentes musicais no Nordeste, associando-se a instituições nacionais e firmando cooperação com movimentos sócio-culturais importantes em todo o Brasil.

Apesar dos grupos musicais e caravanas de agentes usufruírem da Feira enquanto espaço de visibilidade na Mostra de Música, e de formação no Encontro Internacional, nas avaliações feitas foi percebido a dificuldade de eles estabelecerem relações sócio-econômicas mais eficazes e duradouras. Tivemos como base pesquisas realizadas nas rodadas de negócios e questionários avulsos e planos de negócios solicitados às bandas selecionadas para participarem do evento.

Em 2010, a Prodisc, já membro da Rede Ceará de Música (RedeCem) e do Circuito Fora do Eixo, priorizou uma ação de interiorização denominada Programa EntrePontos. Num segundo momento, priorizou a mobilização de agentes e experiências consolidadas que pudessem dar suporte para instalação e desenvolvimento de uma rede de pontos de articulação e produção cultural no interior do Estado, um dos objetivos do Programa.

A partir desse entendimento, a Prodisc convidou um grupo de produtores culturais de áreas multidisciplinares para desenvolver e discutir a metodologia, instrumentais, conteúdos e calendário, buscando paralelamente parceiros que investissem e acreditassem no Programa EntrePontos. Com esse grupo foi constituído o Comitê Gestor, que orientou e acompanhou todo o programa.

Realizada em 2010, a primeira edição do EntrePontos atendeu às cidades de Guaramiranga, Quixadá, Itapipoca e Crato, alcançando um número de 200 agentes. Nessa etapa, o programa foi financiado pelo Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), por meio do Fundo Estadual de Cultura (FEC). O Programa contou também com o apoio do Sebrae e respectivos escritórios regionais, bem como das prefeituras dos municípios participantes, através de suas secretarias municipais de Cultura.

Em 2011, o Programa EntrePontos foi realizado em Fortaleza, no Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (Cuca) Che Guevara, no bairro Barra do Ceará, contemplando um grupo de 54 agentes. Essa edição foi financiada pela Coordenadoria da Juventude da Prefeitura de Fortaleza, Banco do Nordeste do Brasil, Sebrae e Cuca.

Ao final das etapas apresentadas acima houve uma forte mobilização dos agentes culturais que foram estimulados pelo Programa, gerando a oportunidade do Conselho Gestor do EntrePontos apresentar uma grade pedagógica de formação continuada.

A partir daí, a Prodisc elaborou um edital que selecionou 33 agentes do interior e da capital que, reunidos, vivenciaram durante nove meses um laboratório de produção cultural. A ação perpassou os eventos realizados pela RedeCem e outros eventos realizados na capital, como forma de conhecer o mercado e suas exigências num ambiente de aprendizado com profissionais da área cultural, pautado na economia solidária e compartilhando responsabilidades, visões e posicionamentos políticos.

Desta maneira, as 100 horas de trabalho investidas no primeiro ciclo no interior possibilitaram a execução de 1000 horas de formação continuada em um segundo momento na capital, resultando no surgimento de quatro novos empreendimentos e interferências nos territórios, gerando oportunidades, trabalho e renda nas localidades impactadas pelo Programa.

Assim, o Programa EntrePontos cumpre um ciclo completo na medida em que cria espaços dialógicos e democráticos de formação e transforma os debates e trocas de experiência em ações reais de transformação nos territórios.

O Programa se desenvolve em três momentos: Aproximação, Ocupação e Irradiação. Enquanto principais ciclos de desenvolvimento metodológico, tais fluxos buscam a territorialização do olhar, onde o convívio aponta para o conhecimento do espaço onde se vive; a desterritorialização da consciência, onde o convívio com o grupo maior alarga as possibilidades e limites de cada território; e a irradiação, onde, já de volta a seus territórios, os agentes ampliam e aprofundam suas experiências.